Páginas

Translate

sábado, 10 de junho de 2017

Como reconhecer um remédio falsificado?

image

Medicamento falsificado é um assunto muito sério e todos estamos vulneráveis a eles. Então, pensando nisso, pesquisei na net e achei essas dicas abaixo as quais transcrevi diretamente. É importante divulgarmos e proteger-nos!

Como se proteger das falsificações?
1. Só tome medicamentos por receita do seu médico
Não siga conselhos de vizinhos, familiares ou dos balconistas da farmácia: apenas tome medicamentos receitados por seu médico. Caso contrário, pode haver surpresas com doses erradas, efeitos imprevistos ou até agravamento da doença por tomar remédios errados ou sem efeito.
2. Medicamentos só devem ser comprados em farmácias e drogarias, de preferência nas já conhecidas
Nunca compre medicamentos em feiras ou em ambulantes. Cuidado com promoções ou liquidações: preços muito baixos podem indicar origem duvidosa do remédio.
3.Exija sempre a nota fiscal e a guarde com você
Exija sempre a Nota Fiscal da farmácia ou drogaria. Nela deve constar, além do nome do medicamento, o número do lote. Guarde com você a nota fiscal, a embalagem e a cartela ou frasco do medicamento que está sendo usado. Eles são comprovantes, em caso de irregularidade, para você poder dar queixa.
image4.Se o medicamento não funcionar, procure o médico
Se um tipo de remédio que sempre foi eficaz deixou de fazer efeito de repente ou se a pessoa que está usando o remédio piorar, vá a um médico. Ele deve corrigir o tratamento da doença e pode mandar um medicamento considerado suspeito à Vigilância Sanitária.
5.Verifique a embalagem do remédio antes de comprar
Na embalagem, devem estar:

  • a data de validade do produto;
  • o nome do farmacêutico responsável pela fabricação e o número de sua inscrição no Conselho Regional de Farmácia (o registro do farmacêutico responsável deve ser do mesmo Estado em que a fábrica do medicamento está instalada);
  • imageo número do registro do medicamento no Ministério da Saúde.
    Cuidado com:
  • rótulos mal impressos, rasgados, rasurados ou com alguma informação que pareça ter sido apagada ou raspada;
  • bulas que pareçam ser cópia xerox;
  • embalagens amassadas, lacres rompidos, rótulos que se soltam facilmente ou estejam apagados e borrados.
    Verifique se o número do lote (impresso na parte de fora) é igual ao que vem impresso no frasco ou na cartela interna. Todos os xaropes e soros (e outros medicamentos líquidos) devem vir com lacre. A bula não pode ser uma cópia xerox. Se a bula do medicamento não for original, não aceite o produto.
    Se você for aplicar uma injeção na própria farmácia ou drogaria, compre primeiro o remédio e verifique todos os itens acima. Só depois disso peça para fazer a aplicação, que deve ser supervisionada por um farmacêutico.
    Se você já conhece bem um remédio e costuma usá-lo, verifique se a embalagem mudou de cor, formato ou se o tamanho das letras no nome do produto foi alterado. Veja também se o sabor, a cor ou a forma do produto mudou.
    Peça ajuda ao farmacêutico responsável pela farmácia ou drogaria para identificar os itens acima.
    6.Em caso de suspeita ou diferença encontrada
  • Ligue grátis para o Disque Saúde (0800-611997) e peça orientação;
  • Entre em contato com a Secretaria de Saúde local - Coordenação de Vigilância Sanitária e conte o que aconteceu;
  • Procure as Delegacias de Repressão a Crimes Contra a Saúde Pública, da Polícia Federal, e faça sua denúncia;
  • Ligue para o serviço de atendimento ao cliente do laboratório que fabrica o medicamento suspeito.
  • Fonte: Leia Isso!ENSINOFAZER-pq1

    quarta-feira, 7 de junho de 2017

    Aprenda 400 palavras Inglesas em apenas 60 segundos!

    imagesCASEUVWRVocê acha possível que pode aprender a escrever 400 palavras em Inglês em apenas um minuto?

    Se você pensa que estou brincando, experimente ler toda esta matéria e após, comente esse “post”. Comece agora a estudar Inglês de uma forma extremamente fácil de aprender. É só seguir as regrinhas elementares. Mas, antes de tudo, quero explicar que as regras abaixo apresentam uma ou mais exceções, o que demonstra duas coisas:

    1) Tais exceções só servem precisamente para confirmar as regras;
    2) É bem preferível, errar numa ou outra ocasião e aprender 400! palavras em inglês num minuto, do que ficar preocupado com a rara exceção... e não aprender nada. E para que tal não ocorra, ainda coloco algumas das exceções para que você erre menos ainda. Então, não perca tempo. LEIA ISSO e aprenda!

    REGRA 1
    Para quase todas as palavras em português que terminam em “DADE” (como a palavra cidade) retire o “DADE” e coloque em seu lugar “TY” e assim CIDADE
    passou a ser CITY.

    Vejamos agora um pouco das cento e tantas palavras que você
    aprendeu nestes primeiros vinte segundos de leitura deste artigo:
    CAPACIDADE = CAPACITY
    CIDADE = CITY
    SIMPLICIDADE = SIMPLICITY
    VELOCIDADE = VELOCITY
    NATURALIDADE = NATURALITY

    Exceção: Palavra "idade"

    Na palavra "idade" há uma exceção, pois em inglês se traduz "age"


    REGRA 2
    Para todas as palavras em português que terminem em “ÇÃO” (como a palavra NAÇÃO) tire fora o “ÇÃO” e coloque em seu lugar “TION” e assim a palavra NAÇÃO passou a ser NATION.

    Vejamos agora algumas das centenas de palavras em que a imensa maioria
    delas se aplica e essa regra:
    SIMPLIFICAÇÃO = SIMPLIFICATION
    NAÇÃO = NATION
    OBSERVAÇÃO = OBSERVATION
    NATURALIZAÇÃO = NATURALIZATION
    SENSAÇÃO = SENSATION

    Exceção: A palavra CORAÇÃO se encaixaria na regra onde, todas as palavras terminadas em “ÇÃO”, o mesmo seria substituído por “TION”, sendo que CORAÇÃO é HEART em inglês.


    REGRA 3
    Para os advérbios terminados em MENTE (como a palavra NATURALMENTE), tire o MENTE e em seu lugar coloque LLY ( e assim a palavra passou a ser NATURALLY.

    Quando o radical em português termina em L, como a palavra TOTALMENTE, acrescente apenas LY).

    Veja agora abaixo algumas delas:
    GENETICAMENTE = GENETICALLY
    NATURALMENTE = NATURALLY
    ORALMENTE = ORALLY

     
    REGRA 4
    Para as palavras terminadas em ÊNCIA (como no caso de ESSÊNCIA), tire o “ÊNCIA” e em seu lugar coloque “ENCE”.

    Eis algumas delas abaixo:
    ESSÊNCIA = ESSENCE
    REVERÊNCIA = REVERENCE
    FREQÜÊNCIA = FREQUENCE
    ELOQÜÊNCIA = ELOQUENCE

    REGRA 5
    E para terminar esta dica, ficando ainda mais com água na boca, aprenda
    a última e a mais fácil delas.

    Para as palavras terminadas em AL (como a palavra GENERAL) não mude nada, escreva exatamente como está em português e ela sai a mesma coisa em inglês.

    Veja alguns exemplos:
    NATURAL = NATURAL
    TOTAL = TOTAL
    GENERAL = GENERAL
    FATAL = FATAL
    SENSUAL = SENSUAL

    REGRA 7

    Palavras terminadas em "ário”, como vocabulário, dicionário, retire o “ário” e substitua por “ary”.

    Exemplo: - Dicionário = Dicionary; Calendário = Calendary e etc.

    Uma regra de inglês para plural de alguns verbetes:

    potato - potatoes

    tomato - tomatoes

    Plural que muda a forma escrita de palavras:

    child (criança) - children (crianças)

    feet (pé) - foot (pés)

    city (cidade) - cities (cidades)

    imagesCAY3NXUY

    Conforme você acaba de ver, não foi preciso gastar mais de um minuto para aprender 400 palavras em inglês.

    Legal, não é?

    Se esta postagem foi útil para você, escreva um comentário, dê uma curtida na publicação e envie para um amigo que precisa aprender inglês.  Grande abraço!!ENSINOFAZER-pq1


    Fontes: e-mail e conhecimento próprio.

    sábado, 3 de junho de 2017

    Afinal, gravar conversas é crime ou não?


    Olá pessoas!

    Entendam de uma vez por todas se gravar uma conversa é ou não crime e se elas podem ou não ser usadas como provas judiciais.


    gravacao_thumb[1]

    Não é segredo que à medida que as tecnologias cotidianas evoluem nos meios de comunicação, passamos a ter acesso automático a diversas facilidades que nos são oferecidas pelos equipamentos como smartphones, entre elas, a gravação de uma conversa que estamos tendo no momento, seja  presencial ou pelo telefone.  As dúvidas que surgem são: a) gravar minhas conversas ou de outras pessoas é crime? b) quando uma conversa gravada pode ser aceita e usada como prova em processos judiciais?

    Não tenho intuito de esgotar a matéria, mas que pelo menos ela sirva para lançar um pouco de luz para seu entendimento e curiosidade e entenda quando gravar conversa é crime ou simplesmente o exercício de um direito; ou ainda, a diferença entre uma gravação e uma interceptação:

    É crime gravar uma conversa ?

    Como nem sempre uma pergunta simples gera uma explicação simples, a resposta mais curta para esta pergunta é “depende”! Por envolver uma série de fatores, a questão é complexa. Entre este fatores destaco: 1)direito à privacidade, 2) direito à intimidade, 3) liberdade de expressão, 4) legalidade, 5) propriedade intelectual  e 6) outros fatores.

    É certo afirmar que, por questões de princípios fundamentais do direito brasileiro, gravar conversa é crime em determinadas situações e, em outras situações, é encarado como um exercício de direitos regulares.

    Via de regra, a primeira coisa a se observar é se você participou da conversa que você mesmo gravou. Se SIM,  a regra é que a prática não seja criminosa, exceto se você grava com intenção clara de extrair uma confissão de maneira forçada, ou ainda “enrolar” alguém e induzí-la a erro, ou seja, diálogo forçado onde se nota uma clara “manipulação” da situação.

    Caso você não participe da conversa e necessite apresentá-la a alguém ou como prova em algum processo, ela só terá validade nas seguintes situações: 1) Se havia autorização judicial para a gravação; 2) Se as partes que estão sendo gravadas estão cientes da gravação e a autorizarão; 3) Qual a finalidade da gravação?  Há alguma intenção de divulgação da gravação ou há intenção de usá-la como defesa? Qualquer situação que fuja do descrito acima é passível de ser uma prova não aproveitável, ou seja, desqualificada.

    Como se vê, o que define se uma gravação foi obtida de forma legal ou criminosa é algo puramente conceitual!

    Diferença entre Interceptar ou gravar uma conversa

    A prática judicial e interpretativa da Legislação no Brasil entende que gravar conversas é considderado crime quando a conversa é de terceiros e não há autorização nenhum tipo de autorização judicial para que ela ocorra. Isso pode ser encontrado nos termos da lei 9.296, de 1996 que regra os procedimentos de uma gravação ser válida, desde o pedido da autorização até o “como” proceder a interceptação de conversas de terceiros investigados. Então, observando as regras, a gravação obtida é considerada como prova lícita e pode ser utilizada como prova em processos e investigações. Entendeu a diferença entre a gravação e interceptação?

    Gravações podem ser utilizadas como provas judiciais em alguns casos, de acordo com as circunstâncias observadas pelo juiz responsável. Não é uma garantia que uma gravação pessoal deva ser aceita em um processo, pois sua legitimidade é discutível.

    Interceptações lícitas e ilícitas

    É a lei lei 9.296 de 1996 que define os moldes para a licitude de uma interceptação telefônica ou informática, para qualquer fim. Oque torna a interceptação lícita é a autorização. Ela só pode e deve ser concedida pelo juiz da ação principal sendo tratada em cada caso e deve obedecer critérios que protegem a prova contra arbitrariedades durante uma investigação.

    Havendo indícios razoáveis para uma autorização de interceptação, tal procedimento será relevante para o processo e o fato sendo julgado deve apresentar possibilidade de pena de reclusão (mais grave).

    Uma característica sobre a interceptação: Ela só pode existir como legítima em casos onde não há outros meios de produzir provas, senão através de interceptação de determinada conversa. qQualquer outro caso que fuja desse padrão, gravar qualquer conversa é crime, quando trata-se de conversas alheias, ou seja, onde você não participa.

    Fontes de pesquisa:  Jus Navegandi, Jus Brasil, Planalto.ENSINOFAZER-pq1

    5 Receitas de Chocolate Quente!


    Ah, eu particularmente gosto muito do inverno.  Me sinto muito bem. Meu trabalho rende mais, fico menos cansado, consigo me vestir melhor (sou muito encalorado e sofro muito no verão). Mas há uma grande diferença entre eu gostar do inverno e gostar de de passar frio. Passar frio eu ( e acredito que ninguém goste). Então, por mais que a gente esteja bem vestido no inverno, às vezes o frio vem de dentro da gente, né?  Então, nada melhor para nos aquecer do que um delicioso Chocolate Quente (E não Achocolatado quente… esse não tem graça, hehehe).

    Então, nas linhas abaixo passo a compartilhar com vocês as 5 receitas que eu mais gosto. A última é especial e é exclusiva minha. Escolha a sua receita e aproveite!

     

    Receita nº 1 – Chocolate quente 1.0

    • 4 copos de leite (a sua escolha)
    • 1 caixa de creme de leite
    • Barra de chocolate meio amargo

    Preparo:

      1. Ferva o leite
      2. Logo depois coloque aos poucos o creme de leite e derreta em outra panela o chocolate
      3. Misture muito bem.
      4. Sirva e bom proveito!

    Receita nº 2 – Chocolate quente 1.6 Flex

    • 3 colheres de açúcar
    • 1 pedacinho de gengibre
    • Chocolate em pó sem açúcar a gosto (Não é achocolatado)
    • 1 litro de leite

    Preparo:

      1. Em uma panela queime o açúcar e o gengibre raladinho
      2. Adicione o leite e o chocolate, sirva quente (porquê servir “chocolate quente” frio foge do propósito, né? hehehehe)

    Receita nº 3 – Chocolate quente 1.6 com opcionais

    • 1 l de leite
    • 1/2 lata de leite condensado
    • 1 colher cheia de maizena
    • 3 colheres cheias de chocolate em pó
    • Canela em pau

    Preparo:

      1. Dissolva a maizena e o chocolate no leite ainda frio;
      2. Leve ao fogo em temperatura média, mexa devagar sem parar, ao sentir certo ponto de consistência acrescente o leite condensado e por último a canela;
      3. Esquente por mais poucos minutinhos e pronto;
      4. Se for de sua preferência no lugar da canela pode acrescentar ainda 2 colheres cheia de conhaque ou rum;
      5. Esquenta que é uma delícia.

    Receita nº 4 – Chocolate quente 1.8, 16 válvulas + Turbo

    • 1 litro de leite integral
    • 1 lata de leite condensado
    • 4 colheres de sopa de chocolate em pó
    • 1 colher de sopa de amido de milho
    • 1 colher de café de noz-moscada
    • 2 unidades de canela com casca
    • 6 unidades de cravo-da-índia
    • 1 lata de creme de leite sem soro
    • 1/2 dose de (bom) conhaque

    Preparo:

      1. Em um recipiente, misture o leite integral, o leite condensado,o chocolate em pó, o amido de milho, a noz-moscada, o cravo e canela;
      2. Leve a mistura ao fogo e espere ferver;
      3. Coe para retirar os pedaços de canela e o cravo;
      4. Sirva em canecas grossas, adicione quantas colheradas de conhaque você preferir.

    Receita nº 5 – Chocolate quente Receita Pessoal e Exclusiva do blog LEIA ISSO!

    • 1 gema de ovo
    • 3 colheres de sopa (cheias) de açúcar
    • 1 litro de leite (integral é mais saboroso)
    • Chocolate amargo (pode ser em pó, tipo Garoto)
    • uma colher de sopa de manteiga (pode ser Com Sal, é mais gostoso).

    Preparo:

      1. Com o cabo de uma colher, bata a gema e o açúcar até a mistura ficar bem clarinha e lisa (como se fosse fazer gemada);
      2. Com o leite ainda frio, acrescente essa massa junto com o chocolate e a manteiga;
      3. Leve ao fogo e vá mexendo até os ingredientes se incorporarem;
      4. Não deixe levantar fervura. Sirva em seguida.
    1. Observações:  Você pode acrescentar uma pitadinha de canela em pó em sua xícara que vai ficar uma delícia;
    2. Experimente também polvilhar um pouco de raspas de laranja em sua xícara. Fica um perfume e sabor bem sofisticado;
    3. Acrescente um pouco de um (bom) conhaque ou rum amarelo. Fica d+!
    4. Após tomar esse chocolate, evite ao máximo tomar qualquer friagem, pois essa receita é muito quente.

    E aí?  Gostou?  Dá uma curtida, convide um amigo e então deixa um comentário aqui embaixo.ENSINOFAZER-pq1 Bom friozinho pra você!

    quarta-feira, 31 de maio de 2017

    PSICOLOGIA DA MENTIRA: Aprenda os 30 sinais!

    Resultado de imagem para lie

    Bom material tirado do site Idealgratis.com e colocado aqui na íntegra,  para você. Divirta-se!

    • 30 sinais de uma mentira
    • Armando-se para a batalha verbal e partindo para o ataque
    • Técnicas avançadas para revelar a verdade

    Introdução:

    Torne-se um detector de mentiras humano

    "Quem tiver olhos para ver e ouvidos atentos pode convencer-se de que nenhum mortal é capaz de manter segredo. Se os lábios estiverem silenciosos, a pessoa ficará batendo os dedos na mesa e trairá a si mesma, suando por cada um dos seus poros!"

    Sigmund Freud

    Sabemos que a honestidade é à base de qualquer relacionamento humano. Mas, muitas vezes, as pessoas deixam de ser honestas conosco. É de grande valor estar ciente das verdadeiras intenções de alguém, e isso vai lhe poupar tempo, dinheiro e energia.

    O que você vai ler abaixo é baseado no resultado de anos de estudos na área do comportamento humano; principalmente do trabalho do Dr. David J. Lieberman - um renomado Ph.D. em Psicologia e Hipnoterapeuta - em seu livro: "Never be lied again", o qual me influenciou imensamente na produção deste material.

    Lembro que não são meramente técnicas para se descobrir a verdade, mas sim técnicas poderosas e eficazes, os quais são utilizadas mundialmente por entrevistadores e interrogadores experientes.

    Chegou a hora de saber as reais intenções das pessoas e impedir que elas tirem vantagem de você!

    Apresento-lhe os 30 sinais de uma mentira. O corpo nos revela a verdade.

    Estudos demonstraram que numa apresentação diante de um grupo de pessoas, 55% do impacto são determinadas pela linguagem corporal - postura, gestos e contato visual -

    38% pelo tom de voz e apenas 7% pelo conteúdo da apresentação(Mehrabian e Ferris, "Inference of attitudes from noverbal communication in two channels", in The Journal of Counselling Psychology, vol. 31, 1967, pp. 248-52). Podemos concluir que não é o que dizemos, mas como dizemos, que faz a diferença. Sabendo disso, podemos usar a observação para nos ajudar a descobrir a verdade.

    1. A pessoa fará pouco ou nenhum contato direto nos olhos;
    2. A expressão física será limitada, com poucos movimentos dos braços e das mãos. Quando tais movimentos ocorrem, eles parecem rígidos e mecânicos. As mãos, os braços e as pernas tendem a ficar encolhidos contra o corpo e a pessoa ocupa menos espaço;
    3. Uma ou ambas as mãos podem ser levadas ao rosto (a mão pode cobrir a boca, indicando que ela não acredita - ou está insegura - no que está dizendo). Também é improvável que a pessoa toque seu peito com um gesto de mão aberta;
    4. A fim de parecer mais tranqüila, a pessoa poderá se encolher um pouco;
    5. Não há sincronismo entre gestos e palavras;
    6. A cabeça se move de modo mecânico;
    7. Ocorre o movimento de distanciamento da pessoa para longe de seu acusador, possivelmente em direção à saída;
    8. A pessoa que mente reluta em se defrontar com seu acusador e pode virar sua cabeça ou posicionar seu corpo para o lado oposto;
    9. O corpo ficará encolhido. É improvável que permaneça ereto;
    10. Haverá pouco ou nenhum contato físico por parte da pessoa durante a tentativa de convencê-lo;
    11. A pessoa não apontará seu dedo para quem está tentando convencer;
    12. Observe para onde os olhos da pessoa se movem na hora da resposta de sua pergunta. Se olhar para cima e à direita, e for destra, tem grandes chances de estar mentindo.
    13. Observe o tempo de demora na resposta de sua pergunta. Uma demora na resposta indica que ela está criando a desculpa e em seguida verificando se esta é coerente ou não. A pessoa que mente não consegue responder automaticamente à sua pergunta.
    14. A pessoa que mente adquire uma expressão corporal mais relaxada quando você muda de assunto.
    15. Se a pessoa ficar tranqüila enquanto você a acusa, então é melhor desconfiar. Dificilmente as pessoas ficam tranqüilas enquanto são acusadas por algo que sabem que são inocentes. A tendência natural do ser humano é manter um certo desespero para provar que é inocente. Por outro lado, a pessoa que mente fica quieta, evitando a todo custo falar de mais detalhes sobre a acusação;
    16. Quem mente utilizará as palavras de quem o ouve para afirmar seu ponto de vista;
    17. A pessoa que mente continuará acrescentando informações até se certificar de que você se convenceu com o que ela disse;
    18. Ela pode ficar de costas para a parede, dando a impressão que mentalmente está pronta para se defender;
    19. Em relação à história contada, o mentiroso, geralmente, deixa de mencionar aspectos negativos;
    20. Um mentiroso pode estar pronto para responder as suas perguntas, mas ele mesmo não coloca nenhuma questão.
    21. A pessoa que mente pode utilizar as seguintes frases para ganhar tempo, a fim de pensar numa resposta (ou como forma de mudar de assunto): "Por que eu mentiria para você?", "Para dizer a verdade...", "Para ser franco...", "De onde você tirou essa idéia?", "Por que está me perguntando uma coisa dessas?", "Poderia repetir a pergunta?", "Eu acho que este não é um bom lugar para se discutir isso", "Podemos falar mais tarde a respeito disso?", "Como se atreve a me perguntar uma coisa dessas?";
    22. Ela evita responder, pedindo para você repetir a pergunta, ou então responde com outra pergunta;
    23. A pessoa utiliza de humor e sarcasmo para aliviar as preocupações do interlocutor;
    24. A pessoa que está mentindo pode corar, transpirar e respirar com dificuldade;
    25. O corpo da pessoa mentirosa pode ficar trêmulo: as mãos podem tremer. Se a pessoa estiver escondendo as mãos, isso pode ser uma tentativa de ocultar um tremor incontrolável.
    26. Observe a voz. Ela pode falhar e a pessoa pode parecer incoerente;
    27. Voz fora do tom: as cordas vocais, como qualquer outro músculo, tendem a ficar enrijecidos quando a pessoa está sob pressão. Isso produzirá um som mais alto.
    28. Engolir em seco: a pessoa pode começar a engolir em seco.
    29. Pigarrear: Se ela estiver mentindo têm grandes chances de pigarrear enquanto fala com você. Devido à ansiedade, o muco se forma na garganta, e uma pessoa que fala em público, se estiver nervosa, pode pigarrear para limpar a garganta antes de começar a falar.
    30. Já reparou que quando estamos convictos do que estamos dizendo, nossas mãos e braços gesticulam, enfatizando nosso ponto de vista e demonstrando forte convicção? A pessoa que mente não consegue fazer isso. Esteja atento.

    Armando-se para a batalha verbal e partindo para o ataque

    Chegou a hora de usarmos um sofisticado e abrangente sistema de questionamentos que fará com que qualquer pessoa fale a verdade em apenas alguns minutos em qualquer conversa ou situação. Vou lhe armar com as melhores munições possíveis para que você vença rapidamente a batalha verbal e chegue até a verdade. Os resultados serão verdadeiramente surpreendentes.

    Importante: Não esqueça de observar as respostas não-verbais (inconscientes) - os sinais que você acabou de aprender - após a sua pergunta.

    • Não acuse - Insinue: O objetivo é fazer uma pergunta que não represente nenhuma acusação, mas que insinue o possível comportamento da pessoa. Exemplo de uso:

    Suspeita: Você acha que seu (a) namorado (a) foi infiel na noite passada.
    Pergunta incorreta: "Você andou me traindo?"
    Pergunta correta: "Aconteceu alguma coisa diferente na noite passada?"
    Observe sua expressão corporal e alguma possível pista de preocupação e nervosismo com sua pergunta.

    Qualquer resposta do tipo: "Porque perguntou isso?" ou "Alguém te falou alguma coisa?", seguidas de um certo nervosismo, indicam forte preocupação por parte da pessoa. Ela não estaria preocupada em saber porque você está fazendo tal pergunta, a menos que pense que você pode estar sabendo o que ela não quer que você saiba.

    • Situação semelhante:Aqui você vai apresentar uma situação semelhante à que suspeita que esteja acontecendo. O bom é que vai poder falar sobre o assunto sem parecer acusatório. Exemplo de uso:

    Suspeita: Você acha que seu (a) namorado (a) está lhe traindo.
    Pergunta incorreta: "Você está me traindo com Fulana (o) de Tal?"
    Pergunta correta: "Sabe, minha (meu) amiga (o) Fulana (o) de Tal me disse que está muito desconfiada (o) do (a) seu (sua) namorado (a). Ela (e) tem quase certeza que ele (a) está cometendo uma traição. Ele (a) fica muito estranho (a) e nervoso (a) quando ela (e) fala sobre histórias de traição. O que você acha disso?" Se a pessoa for culpada, ficará preocupada, constrangida ou embaraçada e vai querer rapidamente mudar de assunto. Porém, se a pessoa achar que sua pergunta é interessante e ela for inocente, poderá iniciar uma conversa a respeito da pergunta. Esta é uma forte indicação de inocência, porque ela não tem receio de discutir o tema e não está investigando por quê você faz a pergunta.

    • Não é surpreendente?: Como no exemplo acima, aqui você vai abordar o assunto, mas de uma forma geral. Nos permitirá uma grande percepção de culpa ou inocência da pessoa. Exemplo de uso:

    Suspeita: Você desconfia que seu (sua) noivo (a) está saindo com outra (o)
    Pergunta incorreta: "Você está saindo com outra (o)?"
    Pergunta correta: "Olha que absurdo... Hoje minha (meu) amiga (o) Fulana (o) de Tal me contou que pegou seu (a) noivo (a) com outra (o). Não é impressionante como alguém consegue ser infiel e não ter receio de ser desmascarado?" Quaisquer respostas que demonstrem reações de embaraço, nervosismo ou constrangimento, seguidas de perguntas como:"Por que está me perguntado isso?", além de tentativas de mudança de assunto, demonstram grande carga de preocupação e culpa.

    • Atacando o ego da pessoa. Aqui vamos usar o ego da pessoa contra ela própria. Vamos dizer a ela que jamais seria capaz de confessar, pois está sendo 'pressionada' por outra pessoa à não dizer a verdade e que essa pessoa manda nela. Esta técnica é muito usada por policiais. Exemplo de uso:

    Suspeita: Você tem quase certeza que Fulano (a) roubou sua empresa
    Pergunta incorreta: "Vai confessar que roubou minha empresa, ou não?"
    Pergunta correta: "Acho que já sei qual é o problema: Você não me diz a verdade porque alguém manda em você. Você não tem o poder para decidir isso. Tem outra pessoa por trás disso e você não quer 'ficar mal' com ela, não é?" O mais incrível é que geralmente as pessoas acabam confessando e se sentindo orgulhosas de ter feito isso.

    • Indução: Aqui está uma poderosa técnica. Particularmente, já utilizei e obtive ótimos resultados. Elabore uma pergunta que restrinja sua resposta a algo que a pessoa pense ser positivo, de forma que ela não se importe em responder sinceramente. Exemplo de uso:

    Suspeita: Alguém viu seu (a) namorado (a) numa festa na noite passada.
    Pergunta incorreta: "Você andou fazendo festa escondido de mim?"

    Pergunta correta: "Ontem, você chegou em casa após as 24h, não foi?" Se a pessoa tiver ficado em casa, ficará livre para responder, mas se tiver, realmente saído, mesmo assim se sentirá a vontade em responder sinceramente, porque você deu a entender que já sabia e não havia problemas. O fato de a pessoa ter voltado para casa de madrugada não está em questão. O importante é que você conseguiu a resposta à verdadeira pergunta.

    • Bumerangue psicológico: Com esta técnica, você diz à pessoa que ela fez algo bom, e não mau. Assim, ela ficará, completamente livre para lhe dizer toda a verdade. Exemplo de uso:

    Suspeita: Você suspeita que fulano (a) está roubando sua empresa.
    Pergunta incorreta: "Fulano (a), você anda me roubando?"
    Pergunta correta: "Ei, Fulano (a)! Acho que podemos nos tornar sócios muito ricos! Parece que você, ultimamente, tem 'passado à perna' em mim, mas está tudo bem. Nós podemos trabalhar juntos, seu (sua) espertinho (a)! Me conte mais sobre suas incríveis técnicas... Quero aprender tudo!" Você quer aparentar que está contente por saber o que a pessoa está fazendo. Ela não terá saída e vai se abrir para você.

    Outro exemplo: (Utilizado em entrevistas para emprego)
    Suspeita: Você suspeita que o candidato à vaga oferecida mentiu sobre as informações em seu currículo.
    Pergunta incorreta: "Fulano (a), você andou colocando informações falsas em seu currículo?"

    Pergunta correta: "Fulano (a), nós dois sabemos que todo mundo inventa um pouco sobre seu currículo. Pessoalmente, acho que isso demonstra coragem, porque a pessoa não tem medo de assumir novas responsabilidades. Me diga, quais partes em que você foi mais criativo no seu currículo?"

    • Paranóia: Esta técnica de sugestão é muito poderosa e pode induzir a um estado temporário de paranóia na pessoa - principalmente se várias pessoas falarem a mesma coisa. Exemplo de uso:

    Suspeita: Você suspeita que sua (seu) colega de trabalho está roubando o material de escritório da empresa
    Pergunta incorreta: "Fulana (o), você anda roubando o material de escritório?"

    Pergunta correta: "Fulana (o), acho que todo mundo já sabe sobre o material. Já reparou que, às vezes, eles ficam encarando você?" Se ela for mesmo culpada, vai se sentir encarada por todos e logo passará a aceitar a sugestão de que todos já estão sabendo do roubo. Você poderá verificar isso na sua expressão corporal de tensão e pavor, seguida de uma atitude de desconfiança diante das pessoas. Caso ela não seja culpada, não demonstrará nenhuma atitude e apenas vai achar que você está brincando com ela.

    Técnicas avançadas para revelar a
    verdade: Os truques dos profissionais.

    As técnicas abaixo devem ser usadas caso você esteja muito desconfiado da pessoa e ela se recusa a confessar.

    • Céu e inferno: Esta técnica cria uma espécie de fobia na pessoa e a única saída é confessar a verdade para você. Aqui usamos as forças que moldam o comportamento humano: Dor e o Prazer nos seus limites para nos revelar a verdade. Exemplo de uso:

    Se você acha que sua colega de trabalho está roubando o material de escritório da empresa. Você falaria: "Fulana, já sei da verdade. Sei também que você já está se arrependendo de ter feito isso. Podemos resolver isso agora.

    Você pode me contar tudo e esquecemos isso para sempre. Ninguém mais ficará sabendo e você continuará no seu emprego. Mas, pode escolher um caminho mais doloroso: Posso ir até nosso chefe e falar para ele. Você sabe que isso seria demissão na certa, não é? Além do mais sua imagem ficaria suja. Imagina todos seus colegas comentando sobre o que você fez? Portanto, para o seu bem, me confesse agora e terminamos com isso de uma vez por todas". Se vincularmos dor intensa e insuportável à idéia de mentir e prazer imediato à idéia de falar a verdade, ela só terá uma saída: falar a verdade!

    • Curto circuito: Com essa técnica você cria uma confusão mental na pessoa, enquanto implanta sugestões diretamente no inconsciente. Ela ficará confusa com a frase de abertura (estão em sublinhado nos exemplos abaixo) e entrará num leve transe enquanto você lança uma frase com comandos implícitos (estão em negrito) que serão completamente absorvidos pelo seu inconsciente. Exemplo de uso:

    "Fulano (a), você pode muito bem acreditar nas coisas que pensava que sabia, e, se você quer... dizer a verdade... ou... não quer dizer a verdade...a decisão é sua. Portanto, me... diga a verdade..., agora!" Essa sentença é registrada pelo inconsciente em sua totalidade. Os comandos, "dizer a verdade", "diga a verdade" (Muito importante: o inconsciente não registra uma negativa - o 'não') e "agora" são enviados diretamente para o inconsciente, sem a pessoa - a parte consciente - se dar conta e mostrar resistência.

    Outro exemplo:

    Fulano (a). Eu não quero que você diga nada, a menos que, realmente, queira.E entendo que você já esqueceu o que havia pensado em querer, não é? Se estiver pensando consigo mesmo algo como... eu quero dizer à você, então simplesmente... diga ... Quando perceber que... esta é a decisão certa...você... irá me dizer a verdade... agora!
    Importante:

    • Antes e depois do comando - que está em negrito - você deve dar uma pausa (...)
    • Ao dar o comando, aumente um pouco a voz e utilize uma tonalidade descendente.
    • Gesticule com as mãos ao dizer o comando.

    Você também pode usar a técnica do curto circuito, com o intuito de apenas interromper a linha de raciocínio de uma pessoa. Utilize as frases abaixo quando quiser tomar o controle de uma conversa, ou temporariamente confundir a pessoa, enquanto você reúne seus próprios pensamentos. Abaixo você tem algumas frases que desenvolvi. Não esqueça de gesticular enquanto fala. Use com moderação. Se usar várias delas seguidas, poderá provocar uma forte confusão mental na pessoa.

    • Porque você ainda acredita em algo que duvidava?
    • Você, realmente, ainda acredita nas coisas que pensava que sabia?
    • Você duvidaria menos se acreditasse mais nas coisas que imaginava que sabia?
    • Você não lembra do que havia esquecido?
    • Se acreditasse mais nas coisas que falou, duvidaria menos das coisas que escutou?
    • Você acredita nas coisas que já sabia?
    • Como pode acreditar nas coisas que pensa que sabia?
    • Essa pergunta significa que você ainda duvida das coisas que imaginava serem verdadeiras, não é?
    • Você acredita mesmo, que já sabia disso?
    • Porque me perguntou algo que já sabia?
    • Se você já acreditava nisso, porque pensou que têm dúvidas?
    • Se você não esperava que eu acreditasse numa coisa dessas, porque me contou?
    • Você está concordando com uma coisa que já sabia, não é?
    • Como pode concordar de algo que acreditava ser mentira, antes mesmo de aceitar a verdade?
    • Quanto mais você acredita nas coisas que duvidava, mais concorda com a possibilidade de que tudo não passou de uma grande mentira?
    • Criações do inconsciente: Esta técnica utiliza comandos implícitos de um modo totalmente novo. Você vai oferecer uma sugestão que cria uma ação perceptível. Exemplo de uso:

    "Fulana, eu não estou dizendo que você deverá ...enrijecer seu corpo... se...estiver mentindo" Se ela for mesmo culpada, o inconsciente se encarregará de dar uma resposta.


     

    Então pessoal, gostaram desse material? Muito bom e muito útil não é mesmo?  Continuarei pesquisando e “garimpando” a internet para trazer mais “diamantes”, brutos e lapidados, para vocês.

    Convido-os para seguir este blog. Obrigado pela sua visita. É sempre um prazer tê-lo aqui'! Abraços.  ENSINOFAZER-pq1

    FONTE: Leia Isso!

    sábado, 27 de maio de 2017

    Faça Você Mesmo: Rádio de Galena

    Titulo-ENSINOFAZER-pq1_thumb[1]_thumbEsta matéria foi produzida pelo Professor Luiz Ferraz Netto (leobarretos@uol.com.br). Esta matéria e muitas outras mais podem ser pesquisadas em: http://www.feiradeciencias.com.br.

    Essa matéria é recomendada para alunos da 8a série e iniciantes em eletrônica.

    Parte Experimental

    Nas partes anteriores vimos de modo bastante simples de que modo podem ser produzidas as ondas eletromagnéticas e sua propagação pelo espaço. Nada melhor para fixar este aprendizado do que realizar algumas experiências simples com ondas de rádio, tanto na transmissão como na recepção.

    Iniciamos com dois projetos bastante elementares de transmissores, servindo inclusive de base para Trabalhos Escolares e Feira de Ciências.

    Introdução
    Antes de existirem transistores ou válvulas, as ondas de rádio eram produzidas por técnicas que, à primeira vista, pode parecer estranhos aos alunos/leitores. Um deles era a bobina de centelha ou 
    Bobina de Rumkorff, cujo aspecto é mostrado a seguir, em (a) e seu circuito esquemático, em (b):

    Esta bobina consiste, na realidade, num transformador de alta tensão, de núcleo aberto, dotado de um vibrador acionado pelo magnetismo do próprio núcleo. Seu primário tem poucas espiras, mas seu secundário consta de milhares de voltas de fio, produzindo assim tensões muito altas. A menos do vibrador, isso que estamos descrevendo é exatamente a bobina de ignição automotiva (no caso, o vibrador é substituído pelo platinado do veículo).

    Quando ligada a uma bateria, a bobina produz faíscas de alta tensão que, aplicadas a um circuito ressonante e de antena, produz ondas de rádio.

    É claro que essas ondas não levavam informação alguma, pois são ondas contínuas (Continuous Waves  -- CW), mas podem propagar-se a distâncias enormes. Interrompendo em intervalos regulares estas ondas, pode-se estabelecer uma comunicação codificada através do código Morse. Marconi, Hertz e outros pesquisadores da era do rádio utilizaram este tipo de configuração para experiências de transmissão de ondas de rádio. Há uma variante desses transmissores na nossa Sala 15; clique aqui.

    É claro que, com o desenvolvimento de novas técnicas, o advento das válvulas e depois dos transistores, a bobina de centelha para a produção de sinais de rádio se tornou peça de museu, mas nada impede que tenhamos uma configuração semelhante em nosso laboratório para algumas experiências.

    Projeto 1
    Transmissor de faíscas
    O projeto que apresentamos é puramente experimental/didático, de modo que seu alcance não ultrapassa alguns metros, e sua freqüência não é bem controlada, o que significa que não deve ser aplicado em qualquer tipo de comunicação a longa distância. Abaixo segue o circuito esquemático:

    O “centelhador” é na realidade um vibrador que rapidamente interrompe e estabelece a corrente que circula pelo circuito. Esta corrente excita a bobina e o capacitor que formam o circuito “ressonante”, produzindo assim a oscilação que se propaga pelo espaço na forma de ondas eletromagnéticas.
    O manipulador nada mais é do que um interruptor (botão de campainha) que permite ligar e desligar a corrente no circuito, de modo a se enviar mensagens em código telegráfico (Morse). Para experimentações a 'técnica da lima' (substituir o interruptor por um fio esfregando numa lima) funciona muito bem.

    A bobina L1 consiste de 100 voltas de fio comum (cabinho 22) num bastão de ferrite, e o capacitor variável é do tipo comum (1 secção) aproveitado de algum velho rádio.

    Para colocar em funcionamento, ligue nas proximidades do transmissor um rádio de AM sintonizado em freqüência livre.

    Aperte o manipulador e ajuste o vibrador para que ele entre em funcionamento (vibração) produzindo uma pequena centelha entre seus contatos. Neste ponto, um forte zumbido deve ser ouvido no rádio colocado nas proximidades, atestando seu funcionamento. Ajuste CV para a melhor recepção.

    Nota: Observe que o sinal “se espalha” por boa parte da faixa de ondas médias. Este problema é que impede que o transmissor tenha aplicações diferentes das experimentais, pois interferiria em outras emissões.

    Projeto 2
    Microtransmissor transistorizado

    Uma versão moderna, de freqüência estável, pode ser montada com apenas um transistor, conforme a esquematização a seguir:

    A montagem, em ponte de terminais, é a ilustrada abaixo.

    A bobina L1 consiste de 80 voltas de fio, comum ou esmaltado (#22 ou #24), enroladas num bastão de ferrite de 10 a 15 cm de comprimento, 1,0 cm de diâmetro, com tomada na 40a espira. O transistor pode ser oBC548 ou qualquer equivalente de uso geral.

    O variável pode ser aproveitado de um rádio transistorizado fora de uso.

    Para ajustar o transmissor, que opera emitindo onda continua (CW), basta apertar o manipulador e ajustar CV para que seu sinal seja captado num radinho nas proximidades, sintonizado num ponto livre da faixa de ondas médias.

    Lista de material
    Q1 - BC548 ou equivalente - transistor de uso geral
    L1 - descrita acima
    CV - descrito acima
    C1 - 22 nF - capacitor cerâmico
    C2 - 100 nF - capacitor cerâmico
    R1 - 10k, 1/8W - resistor (marrom, preto, laranja)
    S1 - Manipulador ou interruptor de pressão
    B1 - 3V ou 6V - 2 ou 4 pilhas pequenas
    Diversos: fios, bastão de ferrite, suporte de pilhas, ponte de terminais, base de montagem etc.

    Projeto 3
    Como construir um rádio "galena"
    Os elementos necessários para a montagem de um rádio galena (seguindo o circuito da figura anterior) são simples e fáceis de serem encontrados nas lojas especializadas. São basicamente os seguintes:

    1. Fio de cobre esmaltado para o enrolamento da bobina. Vamos precisar de 20 metros de fio # 24 (lojas de enrolamentos e consertos de motores);

    2. Um tubo de PVC, ou mesmo, de papelão duro, para enrolar a bobina. Para se ter uma idéia grosseira desse tubo, basta dizer, que é possível substituí-lo pelo tubo de papelão no qual vem enrolando o papel higiênico. Esse tubo de material bom isolante elétrico tem comprimento de 10 a 12 cm e diâmetro entre 2,5 e 3,0 cm.

    3. Um capacitor fixo. Seu valor é algo como 78 pF (leia 78 picofarad), disco ou cerâmico.

    4. Um diodo de germânio para RF. Serve o tipo OA-90 ou equivalente (1N34 etc.)

    5. Um fone de ouvido (cristal). Obtido de antigos rádios à pilha (os atuais fones de 8 ohms não servem!).

    6. Fios longos para serem usados como antena e como “Fio-terra’’. Uns 20 metros de cabinho # 22 devem ser suficientes.

    É claro, necessitamos das especificações técnicas de cada um destes elementos, pois do contrário, nenhuma loja poderá nos fornecer o material adequado. Damos estas especificações, acima, junto com a lista dos materiais. É possível que você não entenda exatamente o que elas significam; mas, pode estar certo de que, o homem da loja, ao ler a especificação, saberá, com exatidão, o que está sendo pedido.

    Em linhas gerais, a montagem de um rádio galena pode ser resumida nos itens abaixo.

    1. Enrolar o fio esmaltado #24, no tubo, para obter uma bobina com núcleo de ar. Deixar 15 cm livre em cada extremidade e lixar essas extremidades para retirar o esmalte protetor (detalhe acima à esquerda).

    2. A seguir, os diferentes elementos deverão ser ligados como mostra a figura acima. Seu professor ou um amigo técnico em eletrônica poderá auxilia-lo nessa etapa.

    Eis duas montagens caseiras:

    Projeto 4
    Transmissor e Receptor Mínimos

    Esse projeto já se encontra descrito na Sala 15 - Eletrônica sob o título: Transmissor/Receptor Elementar 2. Para se transferir para lá, clique aqui.

    Projeto 5
    Galena - versão 2

    Como se sabe, um rádio galena (também denominado 'receptor de germânio', pelo fato do diodo de germânio substituir o cristal de galena) não necessita de fonte de alimentação própria para seu funcionamento; uma simples antena e uma boa tomada de terra asseguram seu rendimento.

    A antena pode ter um comprimento de 20 a 30 m, dependendo de quão afastado você está da emissora de 'broadcasting'; ela poderá ser do tipo L ou T. A tomada de terra pode ser a torneira do cavalete do 'relógio da água' que faz parte da canalização urbana; também poderá ser realizada enterrando-se uma vareta revestida de cobre (obtida em casas especializadas de material elétrico) em local bem umedecido.

    A bobina de sintonia pode ser feita com um tubo de PVC de 3,0 cm de diâmetro. Para sintonizar as rádios de ondas médias (tradicional OM), o enrolamento L1 comportará 40 espiras juntas e L2 com 120 espiras juntas, com tomada na 45a espira a contar da extremidade de terra. L1 e L2 são enrolados no mesmo sentido e o espaçamento entre os dois enrolamentos deve ser de 3 mm. Ambos os enrolamentos usam fio de cobre esmaltado de diâmetro 0,2 mm.

    Para receber ondas longas, L1 terá 80 espiras e L2 terá 220 espiras, com tomada na 80a contadas a partir da extremidade que vai ligada em terra.

    O capacitor variável (CV) poderá estar compreendido entre 400 pF e 500 pF; podendo-se usar tanto o tipo de dielétrico de ar como o de mica. O capacitor (C1) que vai em paralelo com os fones de ouvido (filtro para a rádio-freqüência) é de 1500 pF, cerâmico.

    O diodo (D1) é do tipo de germânio e poderá ser um OA79, OA85, 1N34 etc. Os fones de ouvido devem ser de alta impedância; 2000 ohms ou mais.

    A seletividade desse receptor não é muito alta, mas atende perfeitamente nossos motivos didáticos. Sua apresentação (e discussão) em Feira de Ciências é altamente recomendada,  não só por esclarecer os princípios da rádio-difusão, mas por tratar-se de uma aplicação totalmente ecológica e sem o consumo de nenhuma energia extra (a não ser aquela já transportada pela própria onda eletromagnética).

    Projetos de Consulentes do Feira de Ciências
    Do jovem João Gerônimo, tive a satisfação de receber um e-mail com a seguinte contribuição:

    Criei um circuito de Radio Galena, com base em vários estudos. Achei diversos tipos de circuitos de Radio Galena, uns até usando válvulas!
    Mas estudei mais o circuito do Prof. Léo. O meu tem algumas modificações, como:
     
    - Em vez de usar um capacitor variável, uso um Resistor variável de 1k5;
    - Mudei o valor do capacitor, de 78 pF para 150 pF;
    - Em vez de usar o galena uso o diodo de silício.
     
    Essas modificações fizeram com que meu "galeninha", como gosto de chamá-lo, funcionar com um volume relativamente alto! Isso graças a FEIRA DE CIÊNCIAS!


    ENSINOFAZER-pq1

    Culinária: SORVETE FÁCIL!

          Olá. Retomando as publicações, quero começar compartilhando uma receita que aprendi com a minha mãe, quando eu ainda era bem criança (já faz tempo, hehehehe), mas me lembro como se fosse hoje.
         Mamãe pegava de 6 a 12 bananas Nanicas, bem madurinhas, as descascavam e deixavam-nas no congelador pela manhã, logo após o nosso café. Quando a gente acabava de almoçar, ela tirava a mesa e ia até a cozinha. Pegava as bananas super geladas, e colocava em um liquidificador e colocava as bananas uma a uma enquanto ia batendo na velocidade máxima.
         Aquilo ficava um creme tão saboroso e concistente que em muito se parece com sorvete!
         A gente se esbaldava com aquela massa geladíssima de bananas, que além de saudável, é natural e muito gostoso.
    Sorbetbanana     Tinha vezes que a gente polvilhava um pouco de Ovomaltine em cima.  Em outras vezes a gente polvilhava um tiquinho de Canela.  Sei que era incrível.
         Hoje em dia posso repetir a receita de minha mãe, porém eu uso um processador ao invés do bom e velho liquidificador, e obtenho o mesmo efeito, ou seja, SORVETE!!!
         Então, espero que você possa desfrutar desse delicioso “sorvete natural”, facílimo de fazer e delicioso de comer, combinado com chocolate, canela, mel, Neston, Leite em pó, ou o que mais sua imaginação mandar.
         E você?  tem alguma receita de infancia que você lembra?  quer compartilhar com a gente? escreva a sua receita aqui nos comentários e também dê uma nota, ok? ENSINOFAZER-pq1
         Um grande abraço!